Antes de entender a relação da endometriose com a infertilidade (e o que você pode fazer se quiser engravidar após diagnóstico da doença) queremos ter certeza de que você sabe o que é endometriose e quais as mudanças que esta doença traz no seu corpo.
A endometriose é bastante comum, principalmente entre mulheres de 30 a 40 anos.1,2 Ela ocorre quando o tecido que deveria se formar dentro do útero cresce fora dele – por exemplo nos ovários, nas trompas, atrás do útero ou até mesmo na bexiga e em outros órgãos.3 Esse tecido que cresce e se acumula no lugar errado pode causar reações inflamatórias, sangrar e formar cicatrizes, além de provocar dores intensas e infertilidade em algumas mulheres.3
O diagnóstico precoce da endometriose é um passo importantíssimo para minimizar as chances de que a doença afete a capacidade reprodutiva das mulheres. Apesar disso, muitas pacientes não manifestam sintomas e não são diagnosticadas até que tenham alguma dificuldade para engravidar.3 Hoje não há cura para a endometriose, mas existem diferentes opções para tratar as dores e a infertilidade resultantes da doença.4

Embora ainda não se entenda completamente, a relação entre a endometriose e a infertilidade é grande. De 25 a 50% das mulheres inférteis têm endometriose, e de 30 a 50% das mulheres com endometriose são inférteis.5 Mas vale lembrar que já há tratamento para combater isso!4



Tratamento da infertilidade causado pela endometriose

A infertilidade causada pela endometriose é tratada de forma bastante individual, ou seja, o médico que acompanha a paciente considera uma série de fatores antes de determinar qual o melhor caminho a seguir. A idade da mulher e seu desejo de engravidar e a intensidade dos sintomas, por exemplo, são alguns pontos a serem considerados.4 O que é comum em todos os casos é que a endometriose deve ser encarada como uma condição crônica e seu tratamento pensado e administrado ao longo da vida.5

Dessa forma, suas expectativas de vida devem ficar claras para sua equipe médica, pois isso ajudará que eles planejem o melhor tratamento para você, considerando seus planos e eventualmente o desejo de uma gravidez, seja imediato ou no futuro.

Entre as possibilidades de tratamento para a endometriose está o tratamento cirúrgico (por exemplo laparoscopia) combinado com terapias pré e/ou pós-cirúrgicas para supressão hormonal. Embora possa ser mais efetivo no combate à dor do que a cirurgia apenas, não há evidências científicas de que este tipo de tratamento possa ter um benefício significativo em combater a infertilidade.5 É preciso saber, também, que os hormônios que inibem a ovulação podem atrasar uma gravidez.4

Então, para quem tem endometriose e quer engravidar, o tratamento com a fertilização in vitro (FIV) pode ser o melhor caminho a seguir, seja depois da falha de outras terapias ou como primeira opção de tratamento (antes de qualquer tentativa de tratamento cirúrgico).5 Isso poderia evitar um atraso desnecessário no combate a infertilidade das mulheres com endometriose que sonham com a gravidez.5 Ao contrário dos hormônios que citamos acima que suprimem a ovulação, os hormônios usados como parte do tratamento da FIV estimulam a função ovariana.4

Há ainda outros aspectos que você e sua equipe médica devem considerar nas decisões sobre o tratamento, já que a realização de múltiplas cirurgias, especialmente aquelas para retirar cistos dos ovários, podem reduzir a função ovariana e dificultar o sucesso de uma futura fertilização in vitro.4

Por fim, antes mesmo de começar o tratamento é preciso ter uma conversa bem honesta com os médicos envolvidos no seu tratamento para entender as taxas de sucesso de uma FIV ou de qualquer outra opção terapêutica a ser seguida. Isso poderá te ajudar a lidar melhor com todo o processo do tratamento da infertilidade, que pode (ou não) ser longo.

A endometriose pode trazer um impacto profundo na qualidade de vida das mulheres5 e, por isso, médicos e cientistas do mundo todo buscam entender as melhores formas de diminuir as dores e melhorar a fertilidade das pacientes. Isso deverá resultar em melhores técnicas e maiores chances de gravidez para as mulheres com a doença!


Referências

  1. NICHD. Endometriosis. Disponível em https://www.nichd.nih.gov/health/topics/endometri/Pages/default.aspx. Acesso em 28/12/2017 às 23:14.http://www.oncoguia.org.br/conteudo/fertilidade-em-pacientes-com-cancer-de-testiculo/8751/247/. Acesso em 20/11/2017 às 11:05.
  2. NICHD. How many people are affected by or at risk for endometriosis? Disponível em https://www.nichd.nih.gov/health/topics/endometri/conditioninfo/Pages/a t-risk.aspx#increase. Acesso em 28/12/2017 às 23:12.
  3. NICHD. About Endometriosis. Disponível em https://www.nichd.nih.gov/health/topics/endometri/conditioninfo/Pages/default.aspx. Acesso em 28/12/2017 às 23:15.
  4. NICHD. What are the treatments for endometriosis? Disponível em https://www.nichd.nih.gov/health/topics/endometri/conditioninfo/Pages/treatment.aspx#relatedto. Acesso em 28/12/2017 às 23:05.
  5. Bulletti C, Coccia ME, Battistoni S, Borini A. Endometriosis and infertility. Journal of Assisted Reproduction and Genetics. 2010;27(8):441-447. doi:10.1007/s10815-010-9436-1.

Então vamos lá ao nosso passo a passo da gravidez com endometriose!

Tenha uma conversa aberta com seu médico:

Antes mesmo de começar seu tratamento para a endometriose seu médico precisa saber quais são seus planos para o futuro. Você quer ser mãe? Quando idealmente? Ainda não sabe, mas quer deixar essa possibilidade viva? Enfim, todas essas informações são essenciais para que o médico possa pensar no seu tratamento no curto e médio prazos, optando por terapias e/ou cirurgias que não atrasem ou te impeçam de ser mãe, caso queira. Alguns hormônios usados no tratamento da endometriose podem inibir a ovulação, atrasando uma gravidez, e determinadas cirurgias podem diminuir as chances de sucesso de uma futura fertilização in vitro, por exemplo.3 Então, o melhor a fazer é não adiar essa conversa super sincera!

Conheça as opções de tratamento e tenha um papel ativo na sua saúde:

Tratamento da endometriose não é o mesmo para todas as mulheres. Há uma série de fatores a serem considerados, como sua idade e vontade de engravidar.3 Conheça suas opções e participe ativamente do seu tratamento. Entenda o papel das terapias e cirurgias que estão sendo propostas e conheça os possíveis efeitos colaterais delas. Além disso, tenha em mente que não há evidências científicas de que a realização de cirurgias antes do tratamento com fertilização in vitro (FIV) pode aumentar suas chances de engravidar.4

Pense na sua fertilidade agora e amanhã:

A endometriose ainda não tem cura, mas já é possível tratar a infertilidade decorrente dela.3 Mesmo que você agora nem saiba se quer ser mãe, pense no tratamento da endometriose olhando também para o futuro, para que você tenha a liberdade de decidir (ou de mudar de escolha sobre ser mãe) ao longo dos anos. A sua idade também é um fator decisivo para o sucesso de tratamentos como a fertilização in vitro.6 Avalie com seu médico se o congelamento de óvulos pode ser uma boa opção para você.

Entenda como funciona a fertilização in vitro (FIV):

A fertilização in vitro pode ser o melhor caminho para muitas mulheres com endometriose que querem ser mães.3 Por isso, conhecer cada etapa da FIV e suas chances de engravidar a cada ciclo é importante, pois te ajuda a manter-se firme no tratamento. E não tenha vergonha de fazer qualquer pergunta para a equipe médica, quanto mais informação melhor!

Busque apoio emocional:

O diagnóstico da endometriose por si só pode abalar sua qualidade de vida, especialmente se você tiver que lidar com as dores intensas que podem ser provocadas pela doença.5

Quando somamos isso com as possíveis dificuldades para engravidar e os desafios do tratamento com a fertilização in vitro, pode ficar muito pesado lidar com tudo isso sozinha (ainda que você tenha bastante apoio da família e dos amigos).

Por isso, busque e aceite ajuda profissional de um psicólogo6, por exemplo, para passar por essa fase mais forte e consciente de suas escolhas! Seu médico pode recomendar alguns profissionais caso você não saiba onde encontrar um.


Referências

  1. Bulletti C, Coccia ME, Battistoni S, Borini A. Endometriosis and infertility. Journal of Assisted Reproduction and Genetics. 2010;27(8):441-447. doi:10.1007/s10815-010-9436-1.
  2. NICHD. About Endometriosis. Disponível em https://www.nichd.nih.gov/health/topics/endometri/conditioninfo/Pages/defa ult.aspx. Acesso em 29/12/2017 às 14:39.
  3. NICHD. What are the treatments for endometriosis? Disponível emhttps://www.nichd.nih.gov/health/topics/endometri/conditioninfo/Pages/treat ment.aspx. Acesso em 29/12/2017 às 16:17.
  4. K. Young, J. Fisher, M. Kirkman; Endometriosis and fertility: women's accounts of healthcare, Human Reproduction, Volume 31, Issue 3, 1 March 2016, Pages 554–562.
  5. Wang J, Sauer MV. In vitro fertilization (IVF): a review of 3 decades of clinical innovation and technological advancement. Therapeutics and Clinical Risk Management. 2006;2(4):355-364.Wang J, Sauer MV. In vitro fertilization (IVF): a review of 3 decades of clinical innovation and technological advancement. Therapeutics and Clinical Risk Management. 2006;2(4):355-364.
  6. Federica Facchin et al. Impact of endometriosis on quality of life and mental health: pelvic pain makes the difference. Journal of Psychosomatic Obstetrics & Gynecology. Volume 36, 2015 - Issue 4.