A escolha do doador de esperma: por que é polêmico e por onde começar?

Uma matéria publicada pelo jornal The Times, do Reino Unido, revelou quea maioria dos brasileiros que buscam bancos de esperma nos Estados Unidos tem preferências em comum: querem doadores brancos, loiros e de olhos azuis.1 Você já parou para pensar no que está por trás dessas escolhas? Conheça alguns aspectos genéticos, sociais e afetivos que podem te ajudar!
Encontrar ajuda

Onde encontrar ajuda?

Muitas clínicas no Brasil oferecem apoio psicológico para quem irá recorrer a doação de sêmen/esperma. Se você já tem uma clínica, pergunte se oferecem o serviço. Caso não saiba por onde começar, o site da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (ABRA) te ajuda a encontrar um especialista.
Doação de esperma

Como funciona a doação de esperma/sêmen no Brasil?

Nós do Fertilidade no meu tempo, já fizemos um post bem detalhado sobre como funciona a doação de espermatozoides e óvulos no Brasil!

Olhos, inteligência e personalidade: o que de fato herdamos geneticamente?

Antes de começarmos é preciso entender o que é fenótipo. Fenótipo nada mais é do que o conjunto de características visíveis de um indivíduo.2 Hoje já sabe que o fenótipo é resultado da ação de múltiplos genes, que interagem com diversos fatores ambientais (desde cultura, nutrição até temperatura) levando uma pessoa a ser quem é.2

Isso significa que seu filho pode ser gordo ou alto, não só porque o doador do esperma (ou você) tinha essas características, mas também porque ele se alimenta de determinada forma, se exercita ou não etc. Na verdade, essas características resultarão da interação de fatores genéticos e ambientais.2

Quando pensamos na inteligência ou personalidade não é diferente.3,4 Assim como a maioria dos aspectos do comportamento humano e da cognição, a inteligência é influenciada por fatores genéticos e ambientais (acredita-se que na proporção de meio a meio). Então, além de influenciada pelos genes, a inteligência também é resultante do ambiente em que a criança se desenvolve, de suas relações em casa e da disponibilidade de recursos educacionais, sua nutrição...3

Já quando avaliamos as questões genéticas relacionadas a cor dos olhos, da pele, e os cabelos, é importante compreender que há uma série de genes que atuam na definição dessas características5,6, e o “resultado” não é uma simples replicação das características apresentada pelo doador do espermatozoide e pela mãe biológica.7 Você muito provavelmente conhece algum casal de olhos azuis com filhos de olhos castanhos, e vice-versa, certo?Bem, tudo isso é para ressaltar que optar por um doador com determinadas características não garante que seu filho as manifeste, sejam elas físicas ou não.

O site da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA) traz uma lista de clínicas associadas por cidade. Você pode fazer uma busca simples clicando aqui.

Uma questão afetiva e social: quero que meus filhos se pareçam comigo

A Dra. Fabia Vilarino, especialista em reprodução humana pela Faculdade de Medicina do ABC, explica que a busca de muitas famílias por um doador de esperma com fenótipo similar ao seus pode ter base tanto afetiva, de querer filhos que se pareçam com eles, quanto social, já que muitos não querem (ter que) contar e dar explicações sobre uma questão tão íntima e familiar. O jornal inglês levanta ainda que pode haver uma questão racial envolvida,1 já que no Brasil 80% dos mais ricos são brancos.8 Segundo a matéria, essa questão pode pesar na decisão, já que ainda hoje, infelizmente, as características físicas são usadas como indicadores de sucesso econômico e prosperidade no Brasil. 1

Qual o peso da escolha de um doador de “sêmen perfeito”?

“Muitas famílias que recorrem a técnicas de reprodução assistida como a fertilização in vitro (FIV) se dedicam tanto a este processo – emocionalmente, financeiramente, seu tempo – que acabam transferindo uma carga muito alta para seu futuro filho”, alerta a Dra. Belinda Mandelbaum, psicanalista e professora associada do Laboratório de estudos da família, relações de gênero e sexualidade, do Departamento de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP).“É como se a criança já nascesse com uma responsabilidade, uma obrigação de ser o ‘filho perfeito’”, ressalta.

Mandelbaum lembra que este tipo de exigência também acontece com filhos concebidos naturalmente, e que essa pressão pode ser prejudicial para qualquer criança. “Afinal, quem não quer ter um filho perfeito? Talvez a diferençaé que quem recorre ao banco de espermas pode desenvolver a fantasia de que as características de seu filho ou filha dependem de sua escolha, estão sob seu controle”, explica a professora.

A melhor resposta para sua família

Nós, do Fertilidade no Meu Tempo, acreditamos que o mais importante é ter um bebê com saúde e feliz. Por isso, esperamos que seu filho chegue logo, e que seja muito amado independentemente da cor de seus olhos, de sua personalidade ou de seu quociente de inteligência (QI).


Referências

  1. The Times. Sperm trade booms as Brazil seeks blond babies. Disponível em
    https://www.thetimes.co.uk/article/blue-eyed-sperm-boom-sees-imports-rise-3000-s3z8v5lfj. Acesso em maio de 2018.
  2. Orgogozo V, Morizot B, Martin A. The differential view of genotype–phenotype relationships. Frontiers in Genetics. 2015;6:179. doi:10.3389/fgene.2015.00179.
  3. Genetics Home Reference. Is intelligence determined by genetics? Disponível em https://ghr.nlm.nih.gov/primer/traits/intelligence. Acesso em maio de 2018.
  4. Krueger RF, South S, Johnson W, Iacono W. The Heritability of Personality is not Always 50%: Gene-Environment Interactions and Correlations between Personality and Parenting. Journal of personality. 2008;76(6):1485-1521. doi:10.1111/j.1467-6494.2008.00529.x.
  5. Rees JL1. Genetics of hair and skin color. Annu Rev Genet. 2003;37:67-90.
  6. Genetics Home Reference. Is eye color determined by genetics? Disponível em https://ghr.nlm.nih.gov/primer/traits/eyecolor. Acesso em maio de 2018.
  7. The Tech Museum of Innovation. Eye Color. Disponível em http://genetics.thetech.org/ask-a-geneticist/brown-eyed-parents-blue-eyed-kids. Acesso em maio de 2018.
  8. Agência IBGE Notícias. SIS 2015: desigualdades de gênero e racial diminuem em uma década, mas ainda são marcantes no Brasil. Disponível em https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2013-agencia-de-noticias/releases/9626-sis-2015-desigualdades-de-genero-e-racial-diminuem-em-uma-decada-mas-ainda-sao-marcantes-no-brasil.html. Acesso em maio de 2018.

Como ocorre a doação de sêmen no Brasil?1

No Brasil, a doação de sêmen (espermatozoide) é feita de forma completamente anônima, tanto para o doador quanto para o receptor.

Como o nome já diz, o doador não recebe dinheiro ou outro tipo de pagamento pelo sêmen, conforme regulamenta o Conselho Federal de Medicina (CFM). Ainda assim, pode haver algum custo para quem vai receber a doação, referente a exames feitos pelo doador e outros procedimentos como armazenagem e transporte do sêmen.
Quando você vai receber uma doação de sêmen você poderá escolher características físicas (fenótipo) de um doador que se assemelhem às suas próprias.

O que é fertilização in vitro (FIV)? Como funciona esse tratamento?

A fertilização in vitro, também chamada de FIV, é a técnica de reprodução assistida usada para que uma mulher possa engravidar a partir de uma doação de sêmen. A técnica da FIV pode ser usada em diversas outras situações (como em casais que têm problemas de fertilidade, casais homoafetivos, etc.), e consiste basicamente nas seguintes etapas:2

Estimulação ovariana: nessa primeira etapa é feito um tratamento com medicamento para estimular o ovário a produzir muitos óvulos maduros de uma vez só, para que possam ser retirados depois.

Esta etapa também pode ser chamada de indução ovariana ou estimulação de maturação dos óvulos.
Retirada dos óvulos: quando chega a hora, os óvulos são retirados para futura fertilização.2 Esse procedimento normalmente ocorre no consultório do médico.
Fertilização ou fecundação in vitro: nesse momento, o óvulo é fecundado pelo espermatozoide in vitro. Geralmente a fecundação ocorre naturalmente quando os óvulos e espermatozoides são colocados em uma incubadora. Se isso não ocorrer, pode ser necessário que um espermatozoide seja colocado dentro do óvulo com a ajuda de uma agulha.2
Transferência de embrião: alguns dias depois da fecundação um ou mais embriões (de acordo com a recomendação médica e o desejo da mãe) são implantados no útero, dando início a gestação.2
Ainda sobre a FIV, é importante saber que a idade da mulher é um fator superimportante para o sucesso do tratamento: quanto mais jovem a mulher, mais chances de sucesso.3 Entender quais suas chances reais de engravidar na primeira tentativa e a cada ciclo do tratamento com FIV podem te ajudar a seguir firme no tratamento! Além disso, se você quer ser uma mamãe independente, mas acha que ainda não é a hora, uma boa opção pode ser visitar um médico especialista em fertilidade, o fertileuta, e conversar sobre as opções para preservar " sua fertilidade para o futuro. Que tal? Busque apoio: mãe solo não precisa ser sozinha. O fato de você não ter um parceiro não significa (de jeito algum) que você tenha que ou deva encarar o tratamento para engravidar e a maternidade sozinha! Muitas mães solo por opção recebem o maior apoio de suas próprias mães para as consultas e todo o tratamento para engravidar. Você também pode envolver outros familiares e amigos bem próximos nas etapas do seu tratamento e depois na sua gestação. Sejam momentos difíceis ou maravilhosos, é sempre bom ter apoio e carinho de quem você ama!


Referências

  1. Portal Médico – Conselho Federal de Medicina. RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015. Disponível em http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2015/2121_2015.pdf. Acesso em 08/02/2018 às 23:15.
  2. NICHD. Assisted Reproductive Technology (ART). Disponível em https://www.nichd.nih.gov/health/topics/infertility/conditioninfo/treatments/art. Acesso em 08/01/18 às 21:25.
  3. Kim HO, Sung N, Song IO. Predictors of live birth and pregnancy success after in vitro fertilization in infertile women aged 40 and over. Clinical and Experimental Reproductive Medicine. 2017;44(2):111-117. doi:10.5653/cerm.2017.44.2.111.

O corpo das mulheres funciona assim:

Quando o feto feminino está se formando, lá pela vigésima semana de gestação, são produzidas todas as células que darão origem aos óvulos. Cada mulher nasce com cerca de 5 milhões dessas células, chamadas de folículos primordiais. Parece bastante, não? Mas na primeira menstruação se vão 500 mil, e a cada ciclo menstrual se vão mais e mais, até que aos 37 anos são apenas 25 mil e só 1 mil perto da menopausa. Então, naturalmente, há uma diminuição da fecundidade relacionada à idade da mulher, acentuada a partir dos 32 anos e drástica depois dos 37 anos de idade.3

Também por volta ou depois dos 32 anos de idade algumas mulheres passam por um processo chamado de envelhecimento precoce dos óvulos. Esses óvulos mais “velhos” podem ter qualidade inferior e também impactar no sucesso de uma gravidez.4 São muitos riscos e variáveis que não estão nas nossas mãos...

Mas como preservar a fertilidade para ser mãe na hora certa?

O melhor a fazer se você quer ser mãe solo no futuro é visitar um fertileuta – médico especializado em fertilidade – o quanto antes, e avaliar com ele quais as melhores formas de preservar a sua fertilidade. Ele pode, por exemplo, recomendar um exame para avaliar a sua reserva ovariana (a quantidade e a qualidade dos seus óvulos) e, a partir dali, decidir com você quais os melhores caminhos a seguir. Como muitas mães solos podem optar por ter um bebê por meio de um tratamento de fertilização in vitro (FIV), o congelamento antecipado de óvulos resolve duas questões de uma só vez! Você preserva a sua fertilidade para o futuro, enquanto antecipa uma etapa obrigatória do seu tratamento para engravidar via FIV, que é a estimulação ovariana para a retirada de óvulos maduros.2

As outras etapas da fertilização in vitro consistem na fecundação de seus óvulos com espermatozoides, gerando embriões, e a implantação de um ou mais embriões no seu útero, dando início a gravidez.2 Saiba que você também pode optar por já congelar o embrião em vez de óvulos (ou até ambos), de acordo com a recomendação do seu médico e seu desejo pessoal. O site da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA) traz uma lista de clínicas associadas por cidade. Você pode fazer uma busca simples clicando aqui.


Referências

  1. Lampinen R, Vehviläinen-Julkunen K, Kankkunen P. A Review of Pregnancy in Women Over 35 Years of Age. The Open Nursing Journal. 2009;3:33-38. doi:10.2174/1874434600903010033.
  2. NICHD. Assisted Reproductive Technology (ART). Disponível em https://www.nichd.nih.gov/health/topics/infertility/conditioninfo/treatments/art. Acesso em 08/01/18 às 21:25.
  3. George K, Kamath MS. Fertility and age. Journal of Human ReproductiveSciences. 2010;3(3):121-123. doi:10.4103/0974-1208.74152.
  4. Subrat P, Santa SA, Vandana J. The Concepts and Consequences of Early Ovarian Ageing: A Caveat to Women’s Health. Journal of Reproduction & Infertility. 2013;14(1):3-7.