Gestante olhando fotos de ultrasom

Preparativos para a gravidez

Tenha uma conversa aberta com seu médico:

Antes mesmo de começar seu tratamento para a endometriose, seu médico precisa saber quais são seus planos para o futuro. Você quer ser mãe? Quando idealmente? Ainda não sabe, mas quer deixar essa possibilidade viva? Enfim, todas essas informações são essenciais para que o médico possa pensar no seu tratamento no curto e médio prazos, optando por terapias e/ou cirurgias que não atrasem ou te impeçam de ser mãe, caso queira. Alguns hormônios usados no tratamento da endometriose podem inibir a ovulação, atrasando uma gravidez, e determinadas cirurgias podem diminuir as chances de sucesso de uma futura fertilização in vitro, por exemplo.3 Então, o melhor a fazer é não adiar essa conversa supersincera!

Conheça as opções de tratamento e tenha um papel ativo na sua saúde:

O tratamento da endometriose não é o mesmo para todas as mulheres. Há uma série de fatores a serem considerados, como sua idade e vontade de engravidar.3 Conheça suas opções e participe ativamente do seu tratamento. Entenda o papel das terapias e cirurgias que estão sendo propostas e conheça os possíveis efeitos colaterais delas. Além disso, tenha em mente que não há evidências científicas de que a realização de cirurgias antes do tratamento com fertilização in vitro (FIV) pode aumentar suas chances de engravidar.4

Pense na sua fertilidade agora e amanhã:

A endometriose ainda não tem cura, mas já é possível tratar a infertilidade decorrente dela.3 Mesmo que você agora nem saiba se quer ser mãe, pense no tratamento da endometriose olhando também para o futuro, para que você tenha a liberdade de decidir (ou de mudar de escolha sobre ser mãe) ao longo dos anos. A sua idade também é um fator decisivo para o sucesso de tratamentos como a fertilização in vitro.6 Avalie com seu médico se o congelamento de óvulos pode ser uma boa opção para você.

Entenda como funciona a fertilização in vitro (FIV):

A fertilização in vitro pode ser o melhor caminho para muitas mulheres com endometriose que querem ser mães.3 Por isso, conhecer cada etapa da FIV e suas chances de engravidar a cada ciclo é importante, pois te ajuda a manter-se firme no tratamento. E não tenha vergonha de fazer qualquer pergunta para a equipe médica. Quanto mais informação, melhor!

Busque apoio emocional:

O diagnóstico da endometriose por si só pode abalar sua qualidade de vida, especialmente se você tiver que lidar com as dores intensas que podem ser provocadas pela doença.5

Quando somamos isso com as possíveis dificuldades para engravidar e os desafios do tratamento com a fertilização in vitro, pode ficar muito pesado lidar com tudo isso sozinha (ainda que você tenha bastante apoio da família e dos amigos).

Por isso, busque e aceite ajuda profissional de um psicólogo6, por exemplo, para passar por essa fase mais forte e consciente de suas escolhas! Seu médico pode recomendar alguns profissionais caso você não saiba onde encontrar um.

Referências

  1. Bulletti C, Coccia ME, Battistoni S, Borini A. Endometriosis and infertility. Journal of Assisted Reproduction and Genetics. 2010;27(8):441-447. doi:10.1007/s10815-010-9436-1.
  2. NICHD. About Endometriosis. Disponível em https://www.nichd.nih.gov/health/topics/endometri/conditioninfo/Pages/defa ult.aspx. Acesso em 29/12/2017 às 14:39.
  3. NICHD. What are the treatments for endometriosis? Disponível emhttps://www.nichd.nih.gov/health/topics/endometri/conditioninfo/Pages/treat ment.aspx. Acesso em 29/12/2017 às 16:17.
  4. K. Young, J. Fisher, M. Kirkman; Endometriosis and fertility: women’s accounts of healthcare, Human Reproduction, Volume 31, Issue 3, 1 March 2016, Pages 554–562.
  5. Wang J, Sauer MV. In vitro fertilization (IVF): a review of 3 decades of clinical innovation and technological advancement. Therapeutics and Clinical Risk Management. 2006;2(4):355-364.Wang J, Sauer MV. In vitro fertilization (IVF): a review of 3 decades of clinical innovation and technological advancement. Therapeutics and Clinical Risk Management. 2006;2(4):355-364.
  6. Federica Facchin et al. Impact of endometriosis on quality of life and mental health: pelvic pain makes the difference. Journal of Psychosomatic Obstetrics & Gynecology. Volume 36, 2015 – Issue 4.
Conteúdos mais acessados